Textos


No túnel do tempo - R. Santana
Itabuna, 27 de outubro de 1997.

Amigo Francisco:

Estou usando deste expediente (carta), depois de algum tempo, para falar com você, por dois motivos: primeiro, pela inconveniência de abordar um problema particular num encontro público; segundo, não irei ao seu gabinete tomar o seu tempo para abordar um problema que não tem solução e não se exige, pois, o que vou lhe dizer não passa de um desabafo.
Você me procurou, xeroxou os meus documentos, entregou-os ao Sr. Secretário da Educação (conforme sua afirmação), com o objetivo de eu ser designado para direção de um colégio estadual. Não fui designado e não estou, aqui, lamentando o desfecho, lamento a falta de consideração, o descaso pelos sentimentos das pessoas amigas, que sempre estiveram empunhando a atual bandeira política, senão, integralmente (não havia parceria), porém, sempre com a mesma coerência há mais de 20 anos.
Depois de algum tempo, as pessoas ainda me perguntam pela malfadada direção com sutil gozação, porque alguém teve o mérito de espalhar a notícia para meio mundo, inclusive, contrariando o seu pedido de sigilo, enquanto isso, concomitantemente, eu era “fritado” por vocês sem nenhum gesto amigo justificando minha defenestração e deixando à mercê das aves agoureiras, que, quanto maior o fracasso, maior é a revoada.
Eu sei que você não é o responsável direto por essas designações, todavia, pela sua intercessão, muitos foram nomeados para direção de importantes colégios de Itabuna (não irei citá-los por questão ética, mas a maioria de suas indicações nunca votou em Fernando ou em ACM), embasados, somente, no seu atual prestígio político e na sua vontade de prestigiá-los e, alguns deles não possuem a minha experiência profissional (desculpe-me a imodéstia), que o seu velho amigo adquiriu ao longo desses anos.
Reconheço que você sempre foi compreensivo e prestativo comigo quando estava na direção do CEI (entretanto, nunca abusei, mesmo quando minha filha estava hospitalizada e no limiar da morte), mas, não o fiz com você de modo diferente, quando eu era o diretor do CEI, sempre atendi aos seus pedidos e cheguei a contemporizar algumas reclamações de seus alunos (o professor Mateus é testemunha) com o gerente da DIREC 07, daquela época. Nunca lhe falei, não estou alegando, estou justificando, apenas, o meu descontentamento e a minha decepção, não pelo cargo que não obtive (para mim, é de somenos importância dirigir uma escola pequena e sem recursos, seria mais encargo do que cargo), porém, pela maneira que fui alijado, sem nenhuma satisfação, sem nenhum apreço.
As pessoas mudam com o cargo, como camaleão muda de cor para não ser abocanhado pelos inimigos. Veja o exemplo da minha cunhada, ela solicitou sua remoção desde Edehilda, respaldada legalmente, pois além de ter duas décadas no estado da Bahia, com bons serviços prestados à educação, reside vizinha à escola, ocorreu o quê? Você não considerou nossa amizade e designou outra professora para o seu lugar com o pretexto que a professora foi transferida de outra localidade, ao invés de aproveitar a oportunidade, se desejasse, para recoloca-las, isto é, colocar a novata na escola da minha cunhada e designar Vandi para o seu lugar de direito – se é que prevalece o direito.
Enfim, espero continuar sendo seu amigo, afinal, os cargos e as contingências políticas são circunstanciais. A amizade e o respeito mútuo devem ser preservados. Nós estamos numa democracia, em pleno estado de direito, não exteriorizar o nosso descontentamento, é hipocrisia, é covardia, mesmo quando é para nossos amigos. A “bronca” e o destempero são necessários para manter a autoestima. Eu tenho o “pavio” curto, não gosto de falsidade ou alvo de chacota, é próprio do meu caráter, franco, às vezes, eu sou incompreendido pelos hipócritas, mas sempre com probidade e lealdade aos que sou grato.


Cordialmente,

Rilvan Batista de Santana

Nota Editorial:
Esta semana, remexendo os meus arquivos, encontrei esta correspondência de 21 anos atrás: é uma carta de desabafo que fiz ao professor Francisco Carlos, naquela época, gerente da DIREC 07, Itabuna (BA).
Hoje, seu valor é estimativo, um documento histórico de 21 anos, que se fosse expedido por uma pessoa desorganizada, seu destino seria o lixo, mas gosto de guardar todas os meus documentos expedidos e recebidos.
Rilvan Santana
Enviado por Rilvan Santana em 28/11/2018
Alterado em 28/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr