Textos


Carta para Eugênio - R. Santana

Caro Eugênio:

Há nos manuais dos escritores (não é o meu caso, sou um escrevinhador e não um escritor), uma restrição ao uso do gerúndio à toa e o excesso de gerúndio é classificado de gerundismo. Veja o que diz o site Wikipédia: “Gerundismo é uma locução verbal que consiste no uso sistemático de verbos no gerúndio, cujo emprego é relativamente recente no português, particularmente o brasileiro. A concordância da construção com a sintaxe do português não é ponto pacífico, sendo, por vezes, considerada um vício de linguagem”.
Eu sou criterioso com a língua, todavia, mais importante que corrigir gramática num texto de ficção, é a mensagem subjacente e se o texto é uma boa história e criativo. O artista da palavra não está preocupado com filigranas gramaticais, pois se assim fosse, não teríamos um Lima Barreto e um Guimarães Rosa. Este escreveu grandes obras que muitas palavras foram inventadas e, o primeiro deu trabalho enorme aos redatores em corrigi-lo.
Há dois tipos de linguagem: a linguagem convencional e a linguagem coloquial, além da linguagem de terceiros, que não é do autor, e, é colocada entre aspas e não há cobrança se é certa ou errada.
Hoje, eu tenho 300 títulos (contos, crônicas, cartas, etc.) no site de nível nacional RECANTO DAS LETRAS, além de 5 romances, inclusive, 13 livros no site Domínio Público – MEC. Acho que estes sites priorizam a gramática, mas acima de tudo a CRIATIVIDADE
Uma catadora de lixo, no Rio de Janeiro, de nome Carolina Maria de Jesus, escreveu: “Quarto de Despejo”. Será que ela era eximia no idioma? Claro que não, mas sua história foi best-seller por muito tempo em todo país.
Se você lê no Google os comentários que algumas pessoas fizeram nessa história: “A noiva que saiu do túmulo”, para mim foram estimuladores e valeu a pena lhe solicitar e demais amigos, o roteiro de ruas e avenidas de Salvador para que eu pudesse construir esse conto.
Fico grato com suas observações, porém, ficou triste por não ter atingido (olhe o gerúndio aí!), seu interesse pela interpretação do texto, da história, ou seja, se a história foi boa ou ruim. Cordialmente, Rilvan. Itabuna, 25.09.2017

Post Scriptum:

Eu irei publicar este texto no “Saber-Literário”, para que muitas pessoas não usem o gerúndio aleatoriamente, sem falsa modéstia, irá servir de lição para muitos leitores.

O idioma é falado 90% na linguagem coloquial e 10% na linguagem clássica. Não faz muito tempo, meus tímpanos quase estouram quando um "intelectual" insistiu em falar "estadia" no lugar de "estada". O primeiro termo, é o prazo de carga e descarga que o navio tem para ficar em um porto; o segundo termo, é o ato de estar em algum lugar. Porém, seus interlocutores entenderam que sua estada em algum lugar foi por tempo “xis”.

Às vezes, as convenções servem para atrapalhar a criatividade. Quantas pessoas criativas se perdem por causa de nosso complicado português? Quantos potenciais escritores e poetas têm medo de colocar no papel suas ideias? Enésimos! Por isto, a criatividade deveria se sobrepor ao convencional.
Rilvan Santana
Enviado por Rilvan Santana em 10/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr