Textos


Brechó - R. Santana

Brechó
R. Santana
Hoje, pensei fazer uma catarse, uma purificação das coisas ruins que me estão incomodando. Inicialmente, pensei consultar meu babalorixá: “agô, babá...kalofé!?” e a voz do babalorixá em meu ouvido: “Kalofé olorum, abiã!”. Porém, lembrei-me que estava devedor de oferendas e o pensamento não foi longe. Pensei procurar um padre exorcista, mas a ideia morreu no nascedouro, na minha paróquia não existe padre exorcista como Karras e Merrin no filme: “The Exorcist”. Um psicólogo freudiano, também, não seria a solução: ele só sabe ouvir e fatura em cima do incauto paciente que “vomita” suas frustrações e seus complexos sexuais, e se autoexorcisa... Pensei numa sessão de quiromancia, mas as ciganas de hoje, não são como as ciganas de antigamente. Pensei consultar um pastor, mas o seguidor de Lutero, hoje, está mais preocupado em ganhar dinheiro do que tirar os males de alguém. Pensei consultar as bruxas... mas, as bruxas atuais, deixaram a vassoura e andam de automóvel. Pensei consultar a minha mãe Iyalorixá e pedi-lhe que jogasse os búzios e consultasse os meus orixás, mas lembrei-me que estava em débito com as orações...
Porém, a solução veio por acaso ou montada numa bicicleta, explico: quando fui tirar o carro da garagem, de ré, quase atropelei um ciclista, ele olhou pra mim, e gritou:
- Brechó!!! - tive um insight: “eu vou construir um brechó (autocatarse) de sentimentos bons, sentimentos ruins e, condutas boas e ruins, atitudes espirituosas, imorais e antiéticas”.
Não será uma loja só de trastes desgastados pelo tempo, será uma loja de produtos que nunca ficam velhos e velhos pelo uso. Na faixada ler-se-á em letras góticas douradas: “BRECHÓ”. O produto não será exposto em tabuleiros feitos por qualquer marceneiro, mas em gôndolas planejadas. Nas primeiras gôndolas, ficarão os produtos sem valor ou quase nenhum valor; nas gôndolas intermediárias, ficarão os produtos de valores expressivos; nas últimas gôndolas, ficarão os produtos nobres que a moeda de venda é o tempo.
Quero deixar um recado para os desavisados: não sou feito da argamassa desses males nem do barro dessas condutas ou atitudes, mas o homem, ao contrário de Rousseau, não nasce bom, ele é naturalmente mau, a educação é que o transforma num ser sociável. Porém, em algum momento da vida o homem é mau, se o homem não tivesse consciência de sua pequenez, que é sujeito à morte, que nem a fé soluciona a certeza da vida eterna, seria o pior dos animais.
A oração é imprescindível no processo da vida. Quando alguém ora, faz uma catarse de suas condutas más e sentimentos maus, vejamos:
“Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”
“Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”
“E Santa Maria, Mãe de Deus / Rogai por nós pecadores / Agora e na hora da nossa morte. Amém!”
Caro leitor, deixando os considerandos de lado, vamos para os finalmentes nas gôndolas:

(I) Gôndola: Ambicioso, antiético, capcioso, egoísta, embusteiro, impostor, imoral, maquiavélico; mau caráter, mesquinho, nerd, plagiador; traidor, tarado, safado, velhaco;

(II) Gôndola: Caftina, covarde, desleal, desonestidade, descarado, estuprador, falsidade, fake, falsificador, ira, invejoso, ladrão, ódio;

(III) Gôndola: Bruxo, discricionário, imprestável, maldade, mau, raiva, ruim;

(IV) Gôndola: Mal, ocioso, mentira, preguiçoso, misantropo, traição, vaidade, autoritário, fanqueiro intelectual, hackers, hipocrisia, inimigo, enganador, marqueteiro, destempero;

(V) Gôndola: Amigo, bondade, bom, bom caráter, bem, corajoso, ético, filantropia, generosidade, honestidade, humildade, ingenuidade, amizade e AMOR!...

Leitor amigo, eu fiz uma classificação empírica do que é ruim e bom em nossa vida, escolha uma gôndola de acordo seu mal ou seu bem, faça catarse das coisas ruins e agradeça ao Senhor as coisas boas.
Ah, antes de fechar este texto, leitor amigo, permita-me saudar a minha mãe Iansã, esposa de Ogum e amante de Xangô:

- Epahey Oyá!...




Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

 
Rilvan Santana
Enviado por Rilvan Santana em 16/04/2017
Alterado em 16/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr