Textos


O agregador - R. Santana


O agregador
R. Santana


Segundo o Aurélio, pai dos “burros”, agregar é reunir, congregar, acumular e associar. Quem não agrega, desagrega... O agregador é diferente do líder, este, nem sempre agrega, Hitler e Napoleão, por exemplo, foram líderes de seu povo, mas desagregaram países e continentes, o agregador não impõe, põe, ele não se faz aceitar, é aceito.

O desagregador destrói, o agregador constrói. O desagregador desestabiliza, o agregador estabiliza. O agregador estabiliza o ambiente, o desagregador o desestabiliza. O agregador sempre de bem com a vida, o desagregador é um indivíduo de personalidade ciclotímica, ora deprimido, ora exuberante.

Pegando carona no episódio Domingos Montagner, segundo depoimento dos seus colegas, era um agregador, por onde passava, deixava saudade: família, amigo, sorridente, generoso, elegante, nobre, modesto e sociável. É sabido que quando se morre, mesmo o inimigo, não se tripudia sobre o cadáver, guarda-se o melhor de sua memória, porém, quando a pessoa é de má índole, perdoa-se, mas não se acende vela nem deixa saudade, o menos polido diz: “... já vai tarde pra os quintos do inferno”.

Nenhuma entidade pública ou empresa privada é desenvolta quando o dirigente é desagregador, os prepostos, inconscientemente, não produzem quanto se fosse dirigida por um líder, um agregador, pois o desagregador, naturalmente, é egoísta, manipulador, autossuficiente e arbitrário.

O papel do agregador numa entidade pública ou empresa é diferente, ele procura juntar todos os indivíduos com o mesmo objetivo, para isto, administra os dissidentes, delega poder, compartilha as tarefas e promove um ambiente funcional de segurança e psicológico de paz.

Porém, o líder e o agregador não se forjam na escola, conta a lenda que Gengis Khan e Maomé eram analfabetos; o primeiro, unificou a Mongólia e estendeu seu domínio até a China no ano 1162, uma área equivalente três vezes o Brasil; o segundo, é o Jesus Cristo dos muçulmanos. A educação pode ilustrar o líder ou o agregador, mas a disposição psicológica é inata, ambos nascem pra liderar, o ambiente e a educação dão o toque final.

A diferença do líder e do agregador, é que o agregador sempre usa o bom senso, enquanto o líder, às vezes, usa o contrassenso. Mas ambos são importantes pra História da Humanidade.

Não é tarefa fácil agregar, principalmente, cabeças pensantes, pois cada um enxerga o mundo de acordo os seus princípios morais e suas convicções ideológicas. É comum alguém dizer que os governantes preferem o povo ignorante, pois é mais fácil de liderar, agregar, enquanto o povo letrado, pensante, é difícil enganá-lo, este não tem nada de tolo.

Portanto, é condição necessária que o povo seja instruído, educado, assim, irá conter os falsos líderes e os desagregadores, povo ignorante, é povo que se deixa levar, “Maria vai com as outras”, não possui discernimento aguçado, age mais com o coração do que com a razão. O homem ignorante só pensa em si, nas necessidades imediatas, ao passo que, o homem de conhecimento não pensa só em si, mas o que é bom para todos, o que será bom para seus filhos e seus netos.

O processo político partidário eletivo é o único instrumento democrático que temos para separar o joio do trigo, o bom do ruim, o honesto do desonesto, o empreendedor do não empreendedor, o líder do falso líder e o agregador do desagregador.


Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons
Rilvan Santana
Enviado por Rilvan Santana em 22/09/2016
Alterado em 22/09/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr